Rede EMAÚS - Fica conosco Senhor!

Segunda, 08 Abril 2013 23:49

Vivência do Bote Fé Pelotas

Escrito por  Miloka
Cruz Peregrina sendo abraçada pelos jovens na FASE Cruz Peregrina sendo abraçada pelos jovens na FASE

Gostaria de compartilhar com vocês algo que está fervendo dentro de mim...
Quando soube que chegaria a "tal" Cruz, imaginei mil coisas mas nunca que significaria tanto para mim quanto para todos que estavam em sua volta. Na noite em que ela estava para chegar algo me dizia que seria bom demais poder ver estes dois símbolos que peregrinam o mundo inteiro, mal dormi com a ansiedade, mas confesso que até então eu não sabia bem o que sentia...

Bom, era chegada a hora tão esperada, o momento em que a Cruz entraria na Catedral e ela entrou. Mas o que pensar, que sentir? Parecia que eu nada sentia... Como ouvimos dizer, parecia uma simples madeira... Mas algo mais forte que eu me chamava a seguí-la, e eu segui...Avisei qe não trabalharia pela manhã e fui atrás dela, fui até a fase (antiga Febem) acompanhando-a sem saber o que lá me esperava, lá tive meu primeiro contato com ela carregando-a para que os jovens que estão lá aprisionados pudessem ter a oportunidade de sentí-la, e sentiram, assim como eu e todos que estávamos lá sentimos essa força que vem da Cruz, conseguimos ver no rosto de cada jovem o Cristo, um Cristo que tinha um sonho, o de ser Livre novamente.

Após este primeiro lindo encontro, carregamos a Cruz e o Ícone para o caminhão e levamos ele para outro local muito especial, chegamos a Caex, lá novamente conseguimos vivenciar o Cristo em cada uma das pessoas que estavam lá, e algo que me chamou muito a atenção foi ter a felicidade de ver um rapaz que fez o Emaús comigo estar acabando o seu tempo lá pois já não era mais dependente daquela droga que o aprisionava, fora tantas outras
coisas lindas que presenciamos lá, um simples gesto em família me comoveu demais, talvez por saber um pouco da história e da caminhada dessas pessoas, mas um abraço em família, de dois filhos com muita fé e muita garra em seu pai que é ex-dependente eu realmente fiquei muito tocado com o amor dos três por Cristo.

E isso tudo só me fazia seguir mais e mais aquela Cruz...Saindo de lá, avisei que eu não iria trabalhar a tarde e segui meu coração, continuei ajudando em todos os momentos, estávamos na Ucpel e lá Cristo levou minha querida Avó,
e com o Ícone de Maria no meu ombro eu conseguia ver o sorriso de felicidade dela em me ver.. A dor era grande nos ombros e o cansaço tomava conta de mim, mas eu tinha certeza do que estava fazendo, e como diz no evangelho, "A messe é grande mas os operários são poucos", eu sabia que tudo era necessário..

Carregamos no ombro o Ícone e a Cruz para os 3 campus da Ucpel, e havia uma certeza muito grande em mim de que eu estaria lá ao lado dela até o final... Levamos ela para o quadrado, onde foi lindo poder ver que muitos dos meus irmão de Emaús e de todos grupos, movimentos, etc, estavam lá presentes e dispostos a participar de tudo que fosse necessário.

Na hora de partirmos para a vigília, me dei ao luxo de não ajudar em nada, pois o cansaço era muito grande... E como as coisas de Deus são inusitadas, na hora em que eu ia atrás do caminhão para seguí-lo até o centro de eventos, recebo uma mensagem e paro para respondê-la, e quando retorno ao meu destino, percebo que o caminhão havia sumido de vista, mas segui em frente, e vi que havia o carro da irmã de POA e ela também havia se perdido do caminhão, só que com uma diferença, ela não sabia chegar até o destino, e naquele momento entendi o porque do meu atraso, Deus me deu uma grande missão e fui guiando-a até o seminário e de lá até o centro de eventos, e fiquei muito feliz em poder ajudá-la..

Lá no centro de eventos, foi demais, ver todo mundo unido e alegre, cantando e dançando, exaltando o Cristo Alegre e Vivo que existe dentro de cada um de nós...Mas chegando no final estava sendo exaustivo demais, as dores no corpo, o sono acumulado e só de pensar que eu deveria trabalhar no outro dia pela manhã, era muito maçante e eu sabia que se eu tentasse ficar até o final da missa, eu perderia o trabalho e fiquei pensando...

Poxa novamente, como na romaria, eu faço tudo, me dou completamente, chego até a exaustão e não consigo ficar até o final para receber o Corpo de Cristo na Eucaristia, e isso me doía muito, mas eu não aguentava mais...E então algumas palavras do meu querido irmão que estava lá comigo de aniversário, foram consoladoras e me fizeram entender que tudo que fiz era tudo o que eu poderia...

Ele me contou a seguinte historinha que ele não sabia muito bem, mas que foi o suficiente para ser entendida... De que um homem estava sempre em busca de Jesus, e em cada caminhada ele parava para ajudar alguém que precisava, e assim ele foi por toda a vida sempre em busca do Cristo, e quando estava chegando ele parava sua caminhada e ajudava alguma pessoa que precisasse, até que ele faleceu, e quando chegou no céu ele falou com Cristo e pediu desculpas, pois ele sempre buscava-o mas sempre havia algo em seu caminho que o impedia de chegar até Cristo e Cristo disse-lhe que ele estava errado, que cada vez que ele parou em sua caminhada e ajudou e serviu a aquele que necessitava, era a Cristo que ele servia e era em Cristo que ele chegava, todas as vezes ele encontrou com Cristo sem perceber.

E mesmo sem eu ter encontrado de fato o Cristo na Eucaristia, eu tenho a plena convicção de que Ele, estava com certeza ao meu lado, a minha frente, atrás de mim e dentro de todos aqueles que estavam por perto.

Agradeço muito por essa linda experiência que está sendo viver a Cruz aqui na minha cidade. Como disse inúmeras vezes o Bispo, "A cruz pela cruz é loucura, mas a Cruz com o Cristo, é loucura de Amor".

 

  • Augusto Marques
  • Arquidiocese de Pelotas
Ler 6336 vezes Última modificação em Terça, 09 Abril 2013 00:12

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.